LOGO

ESTUDOS

DEVOCIONAL

Confissão e perdão

Por Administrador | 21/03/2017

“O que encobre as suas transgressões nunca prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia”. (Provérbios 28.13)

Davi, o ungido do Senhor, rei de Israel, grande guerreiro, de cuja fé falamos até hoje, é um dos maiores exemplos de como o Senhor trata com seus filhos. Tal privilégio, porém, não o impediu de pecar. O versículo acima mostra a maneira como devemos nos comportar diante das situações de pecados, que porventura venham nos ocorrer. Contudo, não foi a princípio a atitude de Davi, quando este pecou. Ao ler a sua história, encontramos a repreensão de Deus dirigida a ele após ter providenciado a morte de Urias, soldado do seu exército, com o intuito de desposar a mulher deste, Bate-Seba. O pior de tudo é que Davi sabia o que estava fazendo, desejou o que fez, dispôs de tempo mais do que suficiente para arrepender-se.  A princípio fez o que muita gente tenta fazer, esconder seu gravíssimo pecado. Resultado: Não deu certo. Deus o repreendeu através do profeta. O que mudou desde Davi até os nossos dias? Nada. O Deus Eterno continua imutável. Seus desígnios, mandamentos, promessas, sanções, normas, misericórdia, amor, graça continuam sendo os mesmos. Nada lhe escapa. Há alguma coisa que possamos fazer ou pensar da qual Ele não tenha prévio conhecimento? O próprio Davi, mais tarde escreveu: “Senhor, Tu me sondas e me conheces. Sabes quando me assento e me levanto; de longes penetras os meus pensamentos. Para onde me ausentarei do teu Espírito? Para onde fugirei da tua face?” (Salmos, 139, 1-2 - 7b).

Quando pecamos e não nos arrependemos, pelo contrário, persistimos no pecado, um prejudicial processo de esfriamento do Espírito Santo se instalará dentro de nós, culminando na queda espiritual. A partir daí, alguns sintomas próprios destes casos começam determinar a queda. Indiferença quanto aos sucessivos erros, o que pode nos conferir a falsa sensação de auto-suficiência, relutância quanto ao arrependimento e insistência em mantermos nosso status como se nada tivesse acontecendo. Nestes casos, o que muitas vezes nos esquecemos é que podemos esconder nossos pecados, da esposa, do marido, dos filhos, da família, da igreja, mas não podemos esconder de Deus. Como mostramos acima, Davi pecou, deu o seu jeitinho de momento, e pensou que estava tudo certo, mas no tempo de Deus, seus pecados ocultos foram revelados. Não nos iludamos, estabelecido tal quadro, a sanção é inevitável.

Mas podemos nos perguntar: Então se pecarmos contra Deus, estamos perdidos e não há solução?  Claro que não! Quando isto acontecer, a primeira coisa fazer é nos arrepender e confessar os nossos pecados. Davi após o seu arrependimento, nos Salmos 32.3-5 disse: “Enquanto eu me calei, envelheceram os meus ossos pelo meu bramido em todo o dia. Porque de dia e de noite a tua mão pesava sobre mim; o meu humor se tornou em sequidão de estio. Confessei-te o meu pecado e a minha maldade não encobri; dizia eu: Confessarei ao Senhor as minhas transgressões; e tu perdoaste a maldade do meu pecado”. Portanto, caros leitores, sejamos sábios e não esperemos pela queda. Ao menor sinal de fraqueza, corramos para os braços de quem tem a força e o poder para nos livrar do pecado. Se você tem Bíblia leia todo Salmo 32 e saberás que bem aventurado é aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto. Bem aventurado o homem a quem o Senhor não imputa maldade, e em cujo espírito não há engano. Não esqueça que quem confessa e deixa alcança misericórdia. Pense nisto.

Deus vos abençoe.

Últimas Fotos


ÚLTIMAS FOTOS

CONGRESSO INTEGRADO 2018 - SEDE

Veja Mais
ÚLTIMAS FOTOS

3ª NOITE JULHO GOSPEL

Veja Mais
ÚLTIMAS FOTOS

VIGÍLIA GERAL UMADEF

Veja Mais
ÚLTIMAS FOTOS

2ª NOITE DO JULHO GOSPEL

Veja Mais